O phygital tenta trazer o sucesso do e-commerce para o comércio presencial

Phygital potencializa a experiência do cliente com as marcas

Atualmente, a melhor forma de fornecer uma boa experiência de compra é com a phygital.  Essa boa experiência passa pela otimização dos canais online da marca como mídias sociais, sites e canais de atendimento. Além da implementação de novos dispositivos nos estabelecimentos.

Os clientes estão buscando praticidade quando vão às compras, esse é um dos fatores do crescimento do e-commerce no país. Entregar autonomia e praticidade faz com que a jornada de compra seja mais prazerosa para o consumidor.

Nos últimos anos, o omnichannel ganhou relevância no varejo, visando entregar mais praticidade ao consumidor. O sistema busca unificar a forma de atender os contatos em todos os canais que a empresa possui. O omnichannel fornece a possibilidade de o cliente começar e terminar a sua compra em canais diferentes da marca.

Além do omnichannel. as lojas autônomas e o varejo phygital são as grandes apostas do setor para os próximos anos. As duas formas de gerenciar as lojas mostram a importância da tecnologia para o mercado.

A aposta no phygital 

Devido aos efeitos da pandemia, os consumidores querem ter uma experiência prática, rápida e fácil na hora da compra. Além disso, eles procuram experiências com menos interações humanas, por isso o e-commerce ganhou tanta relevância durante a pandemia.

Se o e-commerce teve um crescimento surpreendente ao longo do último ano, o varejo físico teve que se reestruturar após os fechamentos devido a pandemia. Agora, as lojas físicas buscam se integrar ao ambiente digital para entregar uma nova experiência de compra.

O modelo phygital nas lojas traz a integração entre o ambiente digital e físico da marca. O modelo lembra muito o propósito do omnichannel, interligando todos os pontos de contato que o cliente tem com a marca.

Nesse modelo de gestão das lojas, o cliente não pensa em loja presencial ou e-commerce. Eles pensam na marca como todo, analisando como ela se comporta em todos os canais. Uma boa experiência em um canal pode refletir para ele procurar a marca em outros locais.

O phygital promove a unificação do estoque para toda rede de lojas. Isso resulta no modelo chamado de prateleira infinita. Nela é possível concluir a venda sem ter o produto no estoque daquela filial. Além disso, o vendedor consegue ter acesso a disponibilidade de produtos em outras lojas da rede.

O phygital tenta trazer o sucesso do e-commerce para o comércio presencial

Neste modo, após a venda é possível entregar o código de rastreio e a estimativa para a entrega do produto, semelhante ao e-commerce.

O modelo também propõe que a empresa ofereça ofertas em todos os seus canais. O uso de vouchers é bem comum no ambiente online, porém no ambiente físico é difícil sua utilização. Agora as empresas estão buscando unificar essas promoções para as lojas físicas.

A conexão implementada também pode potencializar o sistema de trocas e logística reversa da empresa. O cliente pode comprar presencialmente e pedir a troca do produto por canais online ou vice-versa. E o comércio físico pode se tornar um ponto de troca da logística reversa.

O futuro são as lojas autônomas? 

Essa autonomia que o omnichannel promove foi potencializada com a chegada das lojas autônomas. As lojas autônomas são totalmente automatizadas, sem qualquer interação humana. Esse modelo de loja está ganhando força mundialmente e começa a despontar aqui no Brasil.

Atualmente, esse modelo de loja está presente em condomínios residenciais e coworking. Porém, a chegada às ruas deve ser gradual nos próximos anos. Por ser um comércio baseado na confiança em seus clientes, as lojas autônomas possuem dificuldades em se estabelecer em locações não controladas.

Apesar disso, os novos hábitos que os consumidores adquiriram durante a pandemia, pode influenciar em mais pontos de lojas autônomas. Atualmente, as lojas autônomas querem rivalizar com as lojas de conveniência.

Segundo o CEO de uma rede de lojas autônomas, os preços de produtos em lojas autônomas são 20% mais caros que lojas físicas e 30% mais baratos que em lojas de conveniência. 

As lojas autônomas funcionam através de aplicativos. Todos os produtos que o consumidor vai comprar precisam ser colocados no aplicativo, ao final, o aplicativo gera o QR Code para o pagamento.

As lojas autônomas também podem ter o self-checkout. Nessa situação, o cliente passa suas compras no terminal de autosserviços e conclui o pagamento. 

Dispositivos tecnológicos para o phygital e lojas autônomas 

Todos nós sabemos da importância da tecnologia nos centros de distribuição e armazéns. Apesar de não ser vista pelos clientes, as soluções tecnológicas mudaram completamente a forma de trabalhar no centro de distribuição.

Agora, novos sistemas e dispositivos estão mudando a forma de atendimento na frente de loja. A presença de coletores de dados e tablets robustos cresceu nos últimos anos no atendimento direto ao cliente.

Os dispositivos conseguem dar o acesso à prateleira infinita. Consultar estoques, ver disponibilidade em outras filiais e até mesmo fazer o sistema de papa-filas. Além dos dispositivos móveis, os terminais de autosserviços são a grande tendência para o varejo em geral.

As empresas que implementarem esses novos modelos de lojas terão uma vantagem competitiva ao restante do mercado.

Integre os dispositivos móveis em seu phygital

A Prime Interway é distribuidora de dispositivos AIDC, como coletores de dados, leitores de códigos barras e RFID, tablets robustos, etiquetas de RFID e muito mais. Contamos com os maiores fabricantes do mercado em nosso portfólio. 

Para conhecer mais sobre as marcas e produtos entre em contato com seu revendedor. Caso sua empresa se interesse em se tornar nossa revendedora basta se inscrever em nosso formulário.